Biblioteca Afetiva

Envolto em um brilho ficcional o livro Robert Smithson: The Collected Writings, editado por Jack
Flam, parte do mundo, da terra em específico, onde a poesia está na geologia das coisas. A obra transita pela fineza da grafia dos textos, até a rudeza dos cristais, passando por inúmeros caminhos. A experiência do livro pode ser uma ferramenta de atuação, um índice de linguagem, um intervir, experimentar, observar/ escutar. Sugere uma reeducação visual que aponta para a percepção de singularidades.

Fran Ferreira é artista visual, performer e poeta. A sua mais recente exposição, “Caminhos entre territórios”, esteve em cartaz no SESC Paço da Liberdade, em Curitiba, de outubro a novembro de 2014. Vive em Curitiba (PR).

 

Em algum momento de nossas vidas, estaremos perdidos numa selva escura, qual um Dante à espera de Virgílio. Atribua a esta selva o evento ou o ambiente ou a realidade que quiser. A morte de uma pessoa amada, o fim de um casamento, o temporário insucesso profissional, um recalcitrante trauma ou outras tristezas são exemplos dessas selvas escuras. Para transpor estas paisagens, existem livros apropriados? Não sei, a indicação pode variar de acordo com o credo e com a filosofia de cada um. Eu indicaria O demônio do meio-dia, de Andrew Solomon. Ele foi o meu Virgílio na travessia do Inferno.

 

Guilherme Pontes Coelho é professor e colunista dos sites Digestivo Cultural e MMA Brasil. Mora em Brasília.