POEMAS | Jessica Stori
29/04/2022 - 12:19

por baixo de toda camada do mundo
 

por baixo de toda camada do mundo
depois da pressão de estar solta entre os planetas
os bilhões de anos o ar a poeira
depois do céu vermelho seus voos
folhas pássaros migrantes
depois de encostar nas telhas
nos minerais buracos de goteira
observar ácaros e ratos em comunhão
depois das caixas dos gatos de olhos luz
e cachorros esquilos furões
depois do último andar o seu pior horário
às quatro da manhã pulos e gritos confirmam promessa
depois do teto na parede em que olho
depois do cobertor antigo de vinte anos
juntando o meu o teu os pés muito descalços
depois dessa única camada, a última
estou eu, minha mão insone, presto
meu dedo em seu pulso dizendo
mais um balanço mais uma noite nós dois
entre relógios e nuvens

 

*

 

andy warhol e simone weil
quando acordaram em agosto
exato como fevereiro
ninguém quer ficar sozinho
ninguém quer ficar sozinho

andy warhol e simone weil
davam sempre as mãos
para atravessar a rua
a cara grudada uma na outra
órgãos contraídos se repetindo

faz essa mesa falar faz ela me dizer
um amigo precisa ensinar
o outro uma grande lição

andy warhol e simone weil
concentradas em olhar
fixar a cara fixar a cara
o que eu vou ser depois
de nós duas?

 

*

 

céu sufocado vento lâmina
entre as cadeiras afastadas
aguardo para dizer estou prestes a
uma pedra irredutível me contou
que uma pedra irredutível me contou
ele não vai dizer o que eu quero
ouvir não ouve não quer olhar
o que quer é o que importa o que quer é
poderia ser um astro alguém para não perder
se estivesse longe se não fosse eu a te olhar
se não fosse uma pedra irredutível
uma canção que retorna
todos os olhos são assim como os seus
você escolhe sempre o outro caminho
ainda escrevo para me defender
do esquecimento ainda escrevo perguntando
mais uma vez seus olhos um rosto explosivo
uma pedra irredutível
você não muda de ideia

 

 

Jessica Stori nasceu e vive em Curitiba. É escritora e historiadora, com foco em crítica literária feminista, estudos de memória e autobiografias. Em 2020 lançou Carne e Colapso (Urutau), seu livro de estreia.