Poemas | Mariana Vieira
28/06/2021 - 12:45

A vela

caminho diariamente como se escrevesse um diário ou carregasse cuidadosamente uma vela cuja chama não deve ser apagada. todos os dias repito mentalmente que no dia seguinte contarei os passos e medirei as distâncias percorridas — o que acaba sendo sempre adiado.


Tarkovski, que não caminhava diariamente, escreveu em seu diário:


No dia 18 de outubro de 1970


Scherbakov enviou um telegrama dizendo

                    que foi queimada

                                               a nossa casa

toda parte central foi queimada
                                                                       a madeira toda


na véspera do incêndio

                        alguém que estava lá acendeu o fogão



                                      talvez tenha sido isso



Em todo caso


                                        a casa foi queimada


provavelmente o telhado deve ter desmoronado e as telhas devem ter sido quebradas


temos que saber sobre as telhas


De todo modo

                     não é nada alegre


Na primavera teremos que reconstruir

tudo

                                                       como queríamos antes

 

 

 

Ofélia I


este é um alecrim
serve para lembrar

                    não esquece




Ofélia II
 


talvez haja um erro lógico

na conclusão de que sou o corpo

que carregava

                    compridas orquídeas encarnadas


pendurava coroas de flores

                      botões-de ouro, urtigas, margaridas

nos ramos de um salgueiro

                                        [à beira de um riacho]

e cantava fragmentos de velhas canções

                     quando um ramo invejoso se quebrou

 

Mariana Vieira é poeta, artista visual e arquiteta. Natural de Campina Grande (PB), vive no Rio de Janeiro, onde atua como professora da PUC. Publicou o livro de poemas Numa Nada Dada Situação (2020) e participou da antologia Alto-Mar (2017), ambas editadas pela 7Letras.

 

Últimas Notícias