POESIA | Lawrence Ferlinghetti
30/06/2022 - 10:31

Pena da nação (à maneira de Khalil Gibran)

 

Pena de um país cujo povo são ovelhas

Cujos pastores as desencaminham

Pena da nação cujos líderes são mentirosos

Cujos sábios são silenciados

E cujos fanáticos assombram as ondas do rádio

Pena da nação que não levanta a voz

A não ser para exaltar conquistadores

E aclamar o valentão como herói

E quer mandar no mundo

Na base da força e da tortura

Pena da nação que não conhece

Nenhuma língua a não ser a sua

Nenhuma cultura a não ser a sua

Pena da nação que respira dinheiro

E dorme o sono dos bem-alimentados demais

Pena da nação ah pena do povo

que deixa seus direitos serem corroídos

e suas liberdades varridas do mapa

Pátria amada, lágrimas de ti,

Gentil terra da liberdade!


 

*


 

Pity the nation (a fter Khalil Gibran)

 

Pity the nation whose people are sheep

And whose shepherds mislead them

Pity the nation whose leaders are liars

Whose sages are silenced

And whose bigots haunt the airwaves

Pity the nation that raises not its voice

Except to praise conquerors

And acclaim the bully as hero

And aims to rule the world

By force and by torture

Pity the nation that knows

No other language but its own

And no other culture but its own

Pity the nation whose breath is money

And sleeps the sleep of the too well fed

Pity the nation oh pity the people

who allow their rights to erode

and their freedoms to be washed away

My country, tears of thee

Sweet land of liberty!



Nota do tradutor: O poema de Ferlinghetti, de 2007, foi inspirado em um poema de mesmo título publicado em 1933 pelo autor libanês Khalil Gibran (1883-1931) em O Jardim do Profeta.

Lawrence Ferlinghetti (1919-2021) foi um dos maiores poetas e editores norte-americanos da segunda metade do século 20. Pintor, dramaturgo, e ativista político, publicou mais de 40 livros (entre ficção, poesia, autobiografia e crítica de arte). Um Parque de Diversões da Cabeça (1958) é um dos maiores best-sellers de poesia da história americana, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos. À frente da hoje lendária editora City Lights (a primeira livraria alternativa da Costa Leste), colocou San Francisco no mapa da vanguarda literária.

Rodrigo Garcia Lopes é poeta, romancista e tradutor. Autor de O Trovador e O Enigma das Ondas, entre outros. Prepara Poemas Coligidos 1983-2020, a ser lançado em breve pela Kotter Editorial. Site oficial: rgarcialopes.wix.com/site.