Retrato de um artista | Rachel de Queiroz

Rachel de Queiroz

Rachel de Queiroz passou a infância em Quixadá, Ceará. Seus relatos guardam uma visão dolorosa da realidade nordestina. O primeiro romance, O quinze, foi inspirado pela seca de 1915, que ocorreu no nordeste   brasileiro. Rachel participou da fundação do Partido Comunista  cearense, cuja direção vetou a publicação de seu segundo livro, João Miguel, mas a autora rompeu com os comunistas e publicou a obra. Nos anos 1930,  proximou-se de  Graciliano Ramos, Jorge de Lima e José Lins do Rego. Mudou-se para o Rio de Janeiro, porém continuou a frequentar a fazenda “Não me Deixes”, em Quixadá. Para  Rachel, a realidade era mais    importante  que a ficção. Ela se consagrou, na década de 1990, com uma adaptação do Memorial de Maria Moura para a TV. Também se destacou como autora de crônicas e foi a primeira mulher eleita para a Academia  Brasileira de Letras. A escritora faleceu em novembro de 2003, no Rio de Janeiro.

 

Weberson Santiago é ilustrador e colaborador da revista Rolling Stone e do jornal Folha de S. Paulo. Participou de exposições coletivas no MIS (SP) e no Museu da Casa Brasileira. Seus desenhos já estiveram na tela    do cinema no curta-metragem Amsterdam. Santiago também é professor da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) e da Quanta Academia de Artes. Vive em Mogi das Cruzes (SP).