Retrato de um artista | Irvine Welsh



O escocês Irvine Welsh certamente ainda será lembrado durante muito tempo. Seu livro Trainspotting, lançado em 1993, marcou a vida de muitos leitores ao retratar uma geração de jovens arruinados pela falta de perspectivas e pelo envolvimento com drogas. Mark Rentan, Spud e Sicky Boy, personagens do livro, ganharam as telas do cinema em 1996, quando o diretor Danny Boyle adaptou o romance, tornado o filme um sucesso cult e fazendo de Welsh um escritor conhecido também fora dos domínios da Grã-Bretanha. Antes de ser escritor, Welsh foi técnico de TV, cantor e guitarrista de bandas obscuras de punk rock. Como muitos de seus personagens, também enfrentou problemas com heroína na juventude. O que, de certo modo, deu-lhe o substrato de sua obra, que também é amparada em questões sociais da classe trabalhadora de seu país. As referências à música pop das décadas de 1980 e 1990 também são bastante presentes na literatura de Welsh. A linguagem empreendida por ele traz a coloquialidade das ruas para a literatura, criando uma prosa recheada de gírias, palavrões e orações de sintaxe torta, oriundas da baixa escolaridade de seus personagens. O escocês é autor de outros seis romances, incluindo Pornô (2002) e Skagboys (2012), sequências de Trainspotting, além de outras quatro coletâneas de contos, como The acid house (1994) e Se você gostou da escola, vai adorar trabalhar (2007). Welsh atualmente vive em Chicago (EUA).

Theo Szczepanski é ilustrador e artista gráfico. Formado em Gravura pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná, trabalha com material didático e de literatura, HQ e jornal. Durante 8 anos ilustrou matérias diariamente no Jornal do Estado, em Curitiba (PR), onde vive.