Prêmio Paraná de Literatura - Poesia

Mercado de trabalho


Lila Maia

Quando o insuportável começa a virar maré cheia,

me pergunto:

por que não me tornei alpinista de empresa

escalando os prédios mais altos da Avenida Rio Branco?

Quatro anos de Letras,

mais dois de Pós em Literatura Portuguesa,

o curso completo de inglês no IBEU,

não permitem que a mesa do café seja invadida

de iogurtes, queijo branco, uvas, kiwi, pêssegos,

mamão com mel.



Por que não me especializei em alturas?

Uma estrofe de cor dos Lusíadas,

não é suficiente para o trabalho de Call Center

na empresa Silva Lins.

Era preciso ter um diferencial na voz.

Mas eu disse um verso de Camões.



E a menina ao meu lado,

estudante de Propaganda e Marketing na Estácio,

saia justa, corpo bronzeado de Ipanema,

um quê de rouquidão forçado no final das frases,

sai com carteira assinada e setecentos reais por mês.



Lila Maia
é maranhense e vive há 32 anos no Rio de Janeiro. É graduada em Pedagogia. Tem dois livros de poesia publicados: A idade das águas e Céu Despido. Em 1998, teve três poemas publicados na Revisa Poesia Sempre, da Biblioteca Nacional.

Ilustração: Robson Vilalba