Poemas | Salgado Maranhão

LADAINHA


Não secarás as raízes
do teu sopro
no abismo da noite púrpura;
não seguirás o fantasma
que atravessa os trilhos;
não cantarás aos muros de arrimo
tua fantasia de pássaro.

Escarpado é o chão
dos teus sapatos;
escarpado é o azul
rabiscado de estrelas;
escarpada é a rima
que lateja a alegoria
da palavra.

LACRES


Lacre 1

Uma larva de espinho
mordeu-me o sonho. E
atravesso a noite
                           sangrando pétalas.
Com esses uns
que alumbram meus arco-íris
— através dos olhos —

durmo sob a Via Láctea
e a cortesia dos predadores.

Desolada em seu próprio
couro,
           geme a poesia
na porta do matadouro.



Lacre 2

Sonhei uma flecha Karajá
chispando o vento. Da taba
à Civilização do prepúcio. Sonhei
um ramo de espírito: o urucum
no Corão.

Que mar é esse
que inunda meus guizos?
que arcabouço alçará
minhas ramas de luz?

Um sol há de haver
para os que têm fome
de aurora, para
os roedores de silêncio.

Há um tempo de negar
o sangue ao sepulcro (negar
o osso ao machado).

A vingança entornou-se
no furor que devassa
o nosso umbigo (e
onde Deus esqueceu-se
das anjos?).

São matilhas uivando
o que resta.

Lacre 3

O mundo em seu lacre
de vidro,
              agenda-se
para nutrir abismos: seu
pacote de raios; seu
tempo em demasia.

(E os anjos jantando crack,
e os porcos na sacristia).

Por isso edito esta cruz de sabres
nesse cardume de ontens,
nesse arremedo de eternidade.

Juro que vi
o século enfermiço decapitado
na cara da TV (a morte globalizando-se
em Pedrinhas ou em Kandarhar);

Juro que vi
a morte narcísica
e seu personal trainer: não matam
para infamar os céus, matam pelo prazer
de doer, matam
para querer ser Deus.

Lacre 4

Assim feito um cão
que morde a sombra,
a boca da rua
                    lambe
a cicatriz da noite sem ferrolho;
a partilha do eldorado entre víboras.

Assim feito esfinge
                           de sombras
na espreita, nada
resiste a esse olhar recluso;
nem a lua entre carcaças,
nem a última “Flor do Lácio”.

Ó crosta da memória em chamas,
que nos funda e finda
em trama, em treva, em Tróia!

Do outro lado da lágrima,
uma aranha insondável
tece o dia.

Lacre 5

É na fé desdobrável
que o gueto rascunha
seu grito, sua jihad
chã.

Na linfa onde o amor
peçonha sua melanina
de pólvora. Por isso

nos bate à porta
essa ópera de cinzas; essa
flor desossada.

Cresce a selva de dardos
que amanhece a terra
bruta e os vocábulos

de pedra. Cresce o chão
ferido do desejo na orla
do que vejo sem querer.

Plantaram sobre mim
uma cidade vã, uma
enciclopédia de vertigens. E
essa boca infindável
em que como raios
para romper a noite.

Salgado Maranhão nasceu em Caxias (MA) e desde 1973 vive no Rio de Janeiro. Seus primeiros poemas foram editados na antologia Ebulição da escrivatura (Civilização Brasileira, 1978). É autor, entre outros livros, de Aboio — ou saga do nordestino em busca da terra prometida (1984), O beijo da fera (1996) e Solo de gaveta (2005). Ganhou vários prêmios, entre os quais, o Jabuti (1999, com Mural de ventos) e o Prêmio de Poesia da Academia Brasileira de Letras (2011, com A cor da palavra). Seus poemas foram traduzidos para o inglês, italiano, francês, alemão, sueco, hebraico, japonês e esperanto. Como compositor, tem gravações e parcerias com grandes nomes da MPB, como Alcione, Elba Ramalho, Dominguinhos, Paulinho da Viola, Ivan Lins e Ney Matogrosso.