Poema | Vanessa C. Rodrigues

TARDE


Na primeira gaveta ficam os passaportes das crianças
As chaves extras eu deixei dentro do cofre
Meus documentos, na pasta azul da escrivaninha
E eu já paguei a fatura da lavanderia


Tem uma pilha de roupas amassadas na mesa do canto
Tem uma pilha de sapatos na porta da sala
Nada disso é mais importante, meu amor,
Que deslacrar as janelas dos quartos


Os livros da estante foram mesmo quase todos lidos
(por favor, repare nos grifos)


Os eletrodomésticos ficarão todos programados
(para descongelar o almoço, aperte o botão do meio)
Separei numa caixa os mantimentos vencidos
E não se esqueça que quarta é o dia de descer com o lixo


Acho que deixei o guarda-chuva no carro
E meu casaco cinza, esvazie os bolsos, livre-se dos cigarros


Daqui quarenta minutos peça ao porteiro que feche os registros
Do gás, que desligue a luz do prédio
E não entre em casa com nossos filhos


(por favor, queime os poemas, ou deixe-os comigo)





Vanessa C. Rodrigues nasceu em 1984 e é formada em Letras pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Em 2015 estreou como romancista com Anunciação (Oito e meio). Também é autora da coletânea de poemas Noturno e cinza (editora Medusa, 2014). Teve trabalhos publicados em revistas, como Arte e Letra: Estórias, e participou das antologias poéticas Fantasma Civil, da XX Bienal Internacional de Curitiba, e Emergente: novos poetas lusófonos (Portugal). Vanessa vive em Curitiba (PR).