Notas da Província

 

Manoel Carlos Karam pela Arte & Letra

A editora curitibana Arte & Letra relançou Comendo bolacha Maria no dia de são nunca, de Manoel Carlos Karam. O livro reúne minicontos, micronovelas e prosa repletas do experimentalismo e humor típicos da obra do autor. Ilustrada por André Ducci, esta é a segunda edição do livro, que foi lançado originalmente em 1999 pela editora Ciência do Acidente. Falecido em 2007, Karam foi escritor, dramaturgo e jornalista. Entre suas obras publicadas estão O impostor no baile de máscaras, Fontes murmurantes e Cebola, vencedor do Prêmio Cruz e Sousa de Literatura.



O trem do Nilson

Veterano da imprensa paranaense, o jornalista Nilson Monteiro, que já tem livros de crônicas e poemas, estreia na ficção com o romance Mugido de trem. A longa narrativa, são 202 páginas, reinventa literariamente a vivência do escritor no Norte do Paraná na metade do século XX. No entanto, a realidade é apenas ponto de partida para a fabulação que contempla as raízes espanholas do autor em diálogo com acontecimentos marcantes do Estado, como as geadas que flagelaram a região Norte do Paraná. O autor diz que decidiu lançar a obra, escrita há alguns anos, depois ter um fragmento de seu romance publicado no Cândido em janeiro deste ano. “Recebi retorno e incentivo de amigos escritores, professores universitários e leitores desconhecidos, de variados pontos do Brasil que, pelo Facebook, entraram em contato comigo”, afirma. O romance, publicado com o selo da Banquinho, tem ilustrações de Fabiano Vianna e apresentação do escritor e editor Roberto Gomes. A primeira sessão de autógrafos está marcada para o dia 5 de agosto, a partir das 19h, no Museu Oscar Niemeyer (R. Marechal Hermes, 999), em Curitiba. Monteiro também deve lançar a obra em Londrina, onde viveu parte de sua vida e atuou como repórter e editor.