Feira de Literatura

BPP participa da 32ª Semana Literária do Sesc

Biblioteca terá programação com bate-papos, contação de histórias e oficinas de mediadores de leitura

Guilherme Magalhães

Nunca se publicou tantos livros no Brasil como no atual momento. Mas os leitores se multiplicaram com a mesma intensidade? Com o mote “Cadê o leitor?”, o Sesc Paraná dá início, no dia 16 de setembro, à 32ª edição da sua Semana Literária, que segue até 21 de setembro simultaneamente em 21 cidades do Estado. O evento prestará homenagem ao escritor mineiro Bartolomeu Campos de Queirós (1944-2012), e terá como patrono o escritor catarinense Manoel Carlos Karam (1947-2007), que passou grande parte de sua vida em Curitiba.

Este ano a Biblioteca Pública do Paraná (BPP) estará presente no evento de Curitiba com um estande próprio, onde acontecem bate-papos com autores infantojuvenis, edições especiais da “Hora do Conto” — contação de histórias promovida diariamente pela Seção Infantil da Biblioteca — e duas oficinas de mediadores de leitura, coordenadas pelos escritores Jonas Ribeiro e Cleber Fabiano da Silva.

Pelo segundo ano consecutivo, a Semana Literária do Sesc acontece em parceria com a Feira do Livro da Universidade Federal do Paraná (UFPR), ocupando a Praça Santos Andrade — nesta edição o espaço aumentou, chegando à metade da praça.

Segundo o diretor da Biblioteca Pública, Rogério Pereira, a parceria com o Sesc durante a Semana Literária é mais uma ação que visa levar a leitura para um público cada vez mais amplo. “É preocupação constante da BPP fortalecer ações que trabalham com a formação de leitores. Esse tipo de parceria acontece também com prefeituras e secretarias da cultura em vários municípios paranaenses”, afirma Pereira.

Em busca do leitor
A conversa com os escritores infantojuvenis no estande da BPP irá reunir nomes como Ilan Brenman, Flávio de Souza, Almir Correia, Liana Leão, Marilza Conceição, Adriana Sydor, César Obeid, Alexandre Santana e Fábio Yabu, que vão falar sobre suas obras e trajetórias como leitores durante meia hora, em dois horários ao longo do dia.

Ao arriscar uma resposta para a pergunta- tema da Semana, Flávio de Souza acredita que as pessoas não pararam de ler literatura, mas que estão lendo coisas diferentes hoje. “Acho que o leitor está em lugares onde existam computadores conectados à internet, navegando, se informando, se comunicando, jogando e... lendo. Para realizar todas essas atividades, a pessoa precisa ler e escrever”, afirma Souza, que também é dramaturgo e já foi roteirista de programas infantis como “Castelo Rá-Tim-Bum” e “Mundo da lua”, e hoje trabalha como redator final do “TV Xuxa”. Segundo o escritor, o desafio agora é “lincar tudo isso ao mundo dos livros”.

A escritora Liana Leão, que também é professora do curso de Letras da UFPR, considera o atual momento da literatura feita para crianças e jovens “muito rico”. “Hoje grandes poetas, como Ferreira Gullar, se voltam para a literatura infantojuvenil. O nosso Paulo Venturelli acaba de receber um prêmio importante da FNLIJ pelo seu livro Visita à baleia. Vale também a lembrança de que temos uma escritora como Ana Maria Machado, que já escreveu várias obras para o público infantil, à frente da ABL”, destaca Liana, que tem mais de 15 livros publicados, entre eles A caixinha de narizes e Julieta de bicicleta.

Programação principal
A palestra de abertura da 32ª Semana Literária ficará por conta do escritor Affonso Romano de Sant’Anna, que, na noite do dia 16, vai sugerir respostas para a pergunta que é tema do evento — “Cadê o leitor?”. No dia 17, Elvira Vigna e Vilma Arêas debatem a potência social da ficção, enquanto os jornalistas e escritores Luís Henrique Pellanda e Xico Sá conversam sobre a aceitação, por parte dos leitores, da crônica como gênero literário. Os críticos Marcelo Coelho e Lourival Holanda discutem as leituras de não-ficção em mesa do dia 18, que traz também um seminário sobre o desafio de construir leitores, com a participação de Lucia Cherem, Maria Antonieta Cunha e Ronaldo Correia de Brito.

A literatura infantojuvenil marca presença novamente na mesa dos premiados autores Ricardo Ramos e Marina Colasanti, no dia 19. Já os escritores Marcelo Backes e José Roberto Torero falam sobre a relação entre literatura e futebol. No dia 20, o patrono desta edição da Semana Literária, Manoel Carlos Karam, será lembrado em fala do escritor e poeta Marcelino Freire — que também ministra oficina de narrativas breves durante a semana. Os editores André Conti, da Companhia das Letras, e Heloísa Jahn, da Cosac Naify, debatem o atual mercado editorial brasileiro em expansão na noite do dia 20. Fechando a programação, no dia seguinte, os quadrinistas Fábio Moon e Rafael Coutinho batem um papo sobre HQ como porta de entrada para a leitura.