Editorial - Cândido 89

O tempo, para a literatura e os escritores, costuma correr mais devagar. Para o escritor John Fante, o vaticínio foi ingloriosamente certeiro. Ele passou a maior parte da vida tentando se dar bem como romancista, mas foi só no final de sua jornada que encontrou o reconhecimento que sempre buscou. Mas ele veio — com a ajuda pontual de outro outsider, Charles Bukowski.

Em 2018, leitores e fãs de Fante comemoram os 80 anos da publicação de Espere a primavera, Bandini, livro que dá início à trajetória do autor e de seu personagem mais emblemático, o quixotesco Arturo Bandini. 

É essa história que o escritor e jornalista Roberto Muggiati conta nas páginas desta edição do Cândido. Tradutor no Brasil dos principais romances de Fante, Muggiati narra a história editorial de redenção protagonizada pelo escritor nascido em 1909 no gelado Estado do Colorado. “Um dia, H. L. Mencken aprova condicionalmente a história ‘Altar Boy/Coroinha’. A extensa troca de cartas cria um vínculo entre ele e Mencken ajuda Fante a publicar seu primeiro romance, Espere a primavera, Bandini”, escreve Muggiati sobre a estreia do autor de Pergunte ao pó, livro cujos dois primeiros capítulos foram transformados em quadrinhos por DW Ribatski aqui. O Cândido ainda traz uma Prateleira Fante, com comentários sobre os romances do autor.
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                    Foto: Kraw Penas


Na coluna Pensata deste mês, o professor e crítico Luís Augusto Fischer apresenta um breve painel das principais correntes da literatura brasileira em prosa hoje. A poeta gaúcha Angélica Freitas (foto), que participou do projeto Um Escritor na Biblioteca em setembro, relata seu percurso profissional e literário, comentando também sobre seu próximo livro de poemas, que deve ser lançado em março de 2019. A tradutora e jornalista Mariana Sanchez assina reportagem sobre diários de escritores.

Entre os textos inéditos, a edição traz contos de Luiz Roberto Guedes, Carlos Emílio Corrêa Lima e Ale Moretti, além de poemas de Ruy Espinheira Filho e Heitor Ferraz Mello. A ilustração da capa é assinada pelo artista Índio San. 

Boa leitura.