ESPECIAL | Para fugir do óbvio
30/11/2022 - 10:17

Uma seleção de livros para quem quer se aprofundar na obra de Cristovão Tezza — mas conhece apenas os títulos mais premiados e consagrados

 

Luiz Felipe Cunha

 

capa 1

A Suavidade do Vento (Record, 1991)

Tendo como pano de fundo o Paraná dos anos 1970, o livro acompanha o aspirante a escritor J. Matozo em sua busca por publicar uma obra em que está trabalhando. Para além da viagem psicológica do protagonista, a narrativa mostra a vivência numa pequena cidade e a relação social entre as pessoas que ali vivem. A linguagem é simples, mas exige do leitor uma atenção para a alternância das vozes narrativas. Marcada por uma história envolvente, trabalhada dentro de uma estrutura experimental e instigante, A Suavidade do Vento é considerada uma das obras mais inventivas de Tezza.

2

 

Uma Noite em Curitiba (Record, 2014)

Com aspectos detetivescos, a obra narra a história do desaparecimento repentino do professor universitário Frederico Rennon, que ao sumir deixou cartas escritas como pistas à atriz Sara Donovan. De modo improvável, eles passam a trocar mensagens e uma paixão desponta. Com sua linguagem particular e única, Tezza transforma o livro em um campo de embate, em que surgem duas histórias alternativas. No entanto, o clima de mistério evidencia que não dá para confiar plenamente em nenhum dos personagens.

 

3

 

O Espírito da Prosa: Uma Autobiografia Literária (Record, 2013)

Cristovão Tezza tem uma queda pela autobiografia. Podemos perceber traços da sua trajetória em quase todos os seus livros. Nesta obra, no entanto, o autor deixa o narrador e os personagens de lado para falar, de modo mais real possível, sobre a sua formação como escritor. Aqui, Tezza desenvolve suas ideias de forma ensaística, para investigar e examinar temas que dizem respeito à prosa brasileira — como, por exemplo, “o peso da influência acadêmica no ideário estético dos anos pré-internet”.

 

4

O Fantasma da Infância (Record, 2007)

Fugindo um pouco do habitual, o livro se passa em Florianópolis (SC) e apresenta duas histórias em princípio distintas, mas que em determinado momento da narrativa se cruzam. O protagonista de ambas é o obscuro jornalista André Devine, que, após ler um anúncio nos classificados que buscava os serviços de um escritor, é sequestrado por um milionário para escrever sua biografia. Em outra via, ele é retratado numa fase próspera, mas tem a vida tumultuada pela chegada de um amigo de infância.

 

capa 5

A Máquina de Caminhar (Record, 2016)

Reunião de 64 crônicas, selecionadas por Christian Schwartz e ilustradas por Benett, que comprovam o olhar afiado do autor para captar no cotidiano reflexões certeiras. A coletânea traz ainda um saboroso ensaio sobre a crônica e uma análise acerca de Machado de Assis. Neste livro, Tezza não está interessado em apenas apresentar crônicas, mas principalmente discutir o gênero brasileiríssimo ao qual se dedicou de maneira quase acidental.