Estante polonesa

Witold Gombrowicz

O autor nasceu em 1904, em uma propriedade rural perto de Varsóvia. Formou-se em direito pela Universidade de Varsóvia e completou os estudos em Paris, graduando-se em filosofia e economia. Gombrowicz iniciou a carreira literária em 1933, com a publicação da coletânea de contos surrealistas Memórias dos tempos da imaturidade. Em 1937, lançou seu trabalho mais famoso, Ferdydurke, único livro publicado por ele em seu país natal. O romance foi recebido com estranheza pela crítica da época. Com estrutura narrativa pouco usual, marcada por uma linguagem semelhante a dos sonhos, o livro conta a história de um escritor de 30 anos que é subitamente levado a um colégio, onde é tratado como mais um dos adolescentes. Convidado para ir de navio até Buenos Aires, em 1939, Gombrowicz foi surpreendido pela eclosão da Segunda Guerra assim que chegou à Argentina. Impedido de voltar, passou ali os 24 anos seguintes, a maior parte do tempo em extrema pobreza. O reconhecimento crítico só veio nos anos 1960, já de volta à Europa, quando teve seus principais romances publicados na França, entre eles Pornografia (1960) e Cosmos (1965).    


Czeslaw Milosz

Nascido em 1911, em Sateiniai, na Lituânia, quando o país pertencia ao império Russo, Milosz cumpriu parte de seus estudos na Polônia e, nos anos 1930, viveu em Paris. Sua obra está totalmente atrelada à história das guerras e ocupações europeias do século XX. O poeta escreveu e viveu em Varsóvia durante a Segunda Guerra, testemunhando o Levante de Varsóvia. Sua poesia é repleta de polaridades e antíteses, o que sempre dificultou as tentativas de defini-la. Milosz foi influenciado por pensadores como Bakhtin, Dostoiévski e Simon Weil. A relação entre o “eu” e os outros assume, em sua obra, aspecto de uma investigação filosófica e moral. Em 1960 o escritor emigrou para os Estados Unidos, onde ensinou literatura polonesa em Berkeley. Em 1980, ganhou o Prêmio Nobel, fato que fez o trabalho de Milosz ser conhecido na Polônia, já que o poeta era censurado no país por conta de sua oposição ao regime comunista. Entre suas principais obras, destacam-se a seleta de poemas The rising of the sun (1985) e o livro de não ficção Zniewolony umysl (1953), sobre a subserviência dos intelectuais poloneses ao Estado comunista.


Henryk Sienkiewicy

Reprodução
Foi o criador do romance moderno polonês, produzindo ficção de matriz histórica. Nascido em 1846 e vindo de uma família de aristocratas poloneses, Sienkiewicy começou a carreira escrevendo em jornais. Foi para a universidade estudar Direito e Medicina, mas optou mesmo pelo curso de História. Os romances de Sienkiewicy dão feição humana a eventos políticos ao descrever os grandes movimentos da humanidade sob o ponto de vista de um indivíduo. Os cavaleiros da cruz e A trilogia descrevem os levantes, as invasões e as expulsões que caracterizaram a história polonesa entre os séculos XIV e XVII. Com essas obras, o escritor se tornou imensamente popular em seu país. Depois de viajar pelos Estados Unidos durante três anos e com a publicação de Quo Vadis?, romance que virou best-seller, seu nome se tornou internacional. Em 1905, Sienkiewicy recebeu o Prêmio Nobel.

Bruno Schulz 

Reprodução
O escritor nasceu em 1892, em Drohobycz, pequena cidade da Polônia antiga (hoje pertencente à Ucrânia), que fazia parte do Império Austro- Húngaro. A família de Schulz pertencia à comunidade judaica e seu pai era um bem-sucedido comerciante de produtos têxteis. Em 1924, o escritor começa a trabalhar como professor de desenho no Ginásio Público de sua cidade. Nessa mesma época ele inicia a carreira literária. Seu primeiro livro de contos, Lojas de canela, publicado em 1933, foi muito bem recebido pelos maiores críticos poloneses e indicado para o principal prêmio literário de Varsóvia. Com Sanatório sob o signo de clepsidra, Schulz se consolida entre os grandes escritores de seu país. No entanto, sua obra ficaria restrita a dois livros e mais alguns textos esparsos. No verão de 1941, após Hitler atacar sua até então aliada União Soviética, Drohobycz fica sob ocupação Alemã. Bruno Schulz é um dos milhares de judeus transferidos para o gueto. Amigos escritores preparam para ele documentos falsos e um esquema de fuga. Mas na véspera da fuga, em 19 de novembro de 1942, o escritor é morto por um oficial alemão com um tiro na cabeça.

Stanislaw Ignacy Witkiewicz

Reprodução
Witkacy, como era conhecido artisticamente, foi um dos maiores representantes da Vanguarda europeia na primeira metade do século XX. Seu pai, Stanislaw Witkiewicz, foi um famoso crítico de arte e pintor, a quem o escritor deve sua formação em artes. Depois da Revolução de Outubro (1917), Witkacy escreve 40 peças teatrais, entre elas A mãe (Matka), que é um de seus trabalhos mais conhecidos fora da Polônia. Também é autor de dois romances antiutópicos, chamados A despedida de outono (1927) e A insaciabilidade (1930). No mundo teatral de Witkacy, de onde foi banido o princípio da verossimilhança, reinam o grotesco, o fantástico, a paródia, o erotismo e o absurdo. Sua obra também desconstrói a noção de realidade lógica e “normal”, anunciando o cataclismo que o autor vislumbra ao observar a degradação dos homens e das sociedades nos tempos de cultura de massa, “a extinção dos sentimentos metafísicos” e a intensificação das tendências totalitárias. A obra literária e o teatro de Witkacy, com sua visão de mundo particular, anteciparam algumas das principais tendências do pensamento e da arte contemporâneas.

Stanislaw Lem

Reprodução
O autor nascido em Lvov, em 1916, é considerado um clássico da ficção científica. É hoje um dos autores poloneses mais traduzidos no mundo. Além de ficção científica, escreveu romances filosóficos, textos dramáticos e satíricos, como também trabalhos sobre teoria literária e, o mais curioso, resenhas de livros inexistentes. Um dos temas mais importantes da obra ficcional de Lem é a construção de sociedades perfeitas com métodos científicos. As convenções da ficção científica permitiram que o escritor fizesse uma crítica severa ao totalitarismo, ludibriando a censura, como em Diários siderais (1957) e Ciberíada (1965), este último uma série de contos espirituosos ambientados num universo habitado por máquinas (que ocasionalmente entram em contato com “repulsivas criaturas biológicas”). A visão do futuro de Lem é bastante pessimista, pois o homem, segundo ele, tem pouco chance de evitar a catástrofe da autodestruição e da destruição da natureza. Um de seus romances mais conhecidos, Solaris (1961), foi adaptado para o cinema em 1972 pelo diretor russo Andrei Tarkovsky. O filme ganhou um prêmio especial do juri no Festival de Cannes.