Poemas | Derek Walcott
17/03/2020 - 15:06

Tradução: Rodrigo Garcia Lopes

 

Para Norline

Esta praia permanecerá vazia
por mais auroras cor de ardósia
de linhas que o oceano incessante
apaga com sua esponja,


e virá outra pessoa
da casa ainda sonolenta,
copo de café aquecendo a palma da mão
como meu corpo um dia encaixou o seu,


para memorizar esta passagem
de uma andorinha-do-mar sugando o sal
feito uma linha numa página
que se adora e é difícil de virar.

To Norline

This beach will remain empty
for more slate-colored dawns
of lines the surf continually
erases with its sponge,


and someone else will come
from the still-sleeping house,
a coffee mug warming his palm
as my body once cupped yours,


to memorize this passage
of a salt-sipping tern,
like when some line on a page


is loved, and it’s hard to turn.

 

Finais

As coisas não explodem,
falham, fenecem,


como a luz do sol fenece da carne,
como a espuma escoa veloz na areia,


nem o relâmpago do amor
tem fim trovejante,


morre com o som
das flores fenecendo como a carne


da suada pedra-pomes,
tudo dá forma a isto


até que ficamos
com o silêncio que rodeia a cabeça de Beethoven. 

Endings

Things do not explode,
they fail, they fade,


as sunlight fades from the flesh,
as the foam drains quick in the sand,


even love’s lightning flash
has no thunderous end.


it dies with the sound
of flowers fading like the flesh


from sweating pumice stone,
everything shapes this


till we are left
with the silence that surrounds Beethoven’s head.

 

 

DEREK WALCOTT, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 1992, nasceu na ilha caribenha de Santa Lúcia, em 1930. Ministrou aulas de poesia em universidades dos Estados Unidos, Inglaterra e Canadá. Seu trabalho mais conhecido é o poema épico Omeros — publicado no Brasil pela Companhia das Letras, com tradução de Paulo Vizioli. Morreu em 2017, aos 87 anos de idade.

RODRIGO GARCIA LOPES é poeta, romancista e compositor. Como tradutor, publicou os livros Sylvia Plath: Poemas e Iluminuras: Gravuras Coloridas, de Arthur Rimbaud (ambos com Maurício Arruda Mendonça), Ariel, de Sylvia Plath (com Cristina Macedo), Folhas de Relva, de Walt Whitman, Mindscapes; Poemas de Laura Riding, O Navegante (do anônimo anglo-saxão) e Epigramas, de Marco Valério Marcial.